sexta-feira, 27 de abril de 2012

Asana e Pranayama

Hoje temos um vídeo muito especial para vocês a INTRO do Yoga Tour Inbound Chile feita pela noss equipe em janeiro. Vejam só a novidade!




E continuando com nosso Estudo Inbound hoje falamos sobre ASANA.
Patanjali explica que significa uma postura "firme e confortável". Em geral é uma combinação de encaixes do corpo (coluna ereta, ombros relaxados...) que favorece a concentração, respiração adequada e traz muitos benefícios ao corpo. Por exemplo:
  • Aumento da flexibilidade
  • Aumento da força
  • Melhora do equilíbro
  • Redução de estresse e ansiedade
  • Combate dor na lombar
  • Auxilia no tratamento de asma e obstrução crônica pulmonar
  • Dá energia positiva e afasta energia ruim
  • Ajuda a mulheres grávidas
  • Melhora a saúde física e a qualidade de vida da "melhor idade"
  • Ajuda no combate a diabetes
  • Reduz problemas de sono
  • Tratamento para hipertensão
Existem muitas asanas praticadas atualmente e muitas outras se tornaram desconhecidas ao longo do tempo já que o Yoga existe a milhares de anos. Talvez uma das mais conhecidas seja Surya Namaskar, postura de Saudação ao Sol que trabalha principalmente a respiração.

Uma boa asana é formada por:
- Consciêcia da respiração
- Bom preparo físico
- Concentração
- Foco, no olhar
- Intenção na ação

As ASANAS dentro do Sistema Yoga Inbound são importantes tanto quanto Mantra Yoga e meditação.

E continuando com o Sistema do Astanga, seguimos com PRANAYAMA. Confira o artigo que já publicamos sobre esse tema: http://yogainboundsp.blogspot.com.br/2012/03/voce-respira-de-verdade.html

Em breve teremos aula de Yoga Inbound para crianças, aguardem!!



segunda-feira, 23 de abril de 2012

8 Passos de Astanga Yoga: praticando Yama e Niyama

Depois de estudarmos sobre a Respiração, Energia Vital, Mente e Inteligência (consulte os post anteriores) damos continuidade ao Estudo Inbound de hoje.
Começamos a estudar os OITO PASSOS de ASTANGA YOGA de Patanjali que garantem a constância na prática.


Os oito são:
Yama (códigos morais)
Niyama (purificação e estudo)
Asana (postura)
Pranayama (controle da respiração)
Pratyahara (controle dos sentidos)
Dharana (concentração)
Dhyana (meditação)
Samadhi (contemplação)


Hoje veremos os dois primeiros: Yama e Niyama

Yama significa restrição. Isso significa que algo precisa ser restringido, o que é? Há muitas respostas possíveis para essa pergunta e cada um pode pensar sobre esse ponto - como uma meditação inbound da semana. Essa restrição não significa repressão e sim compreensão. Em outras palavras, não devemos nos conter e não fazer determinada coisa e sim compreender se é necessário de fato tal ação.
Por exemplo, uma pessoa descontrolada sempre tem fome e o todo tempo busca comer coisas gostosas. Praticar Yama seria pensar se é necessário comer ou não, analisar o horário, com que consciência e etc.
  1. Ahimsa: Não violência. Abstinência a agredir outros, inocência, não causar dor a qualquer criatura por pensamento, expressão, escrita, em qualquer momento. Esta é o "principal" yama. Os outros nove permitem atingir a sua realização.
  2. Satya: veracidade, palavra e pensamento em conformidade com os fatos.
  3. Asteya: não roubar, invejar, não ter dívidas.
  4. Brahmacharya: conduta ética, continência, abstér-se de ter relações sexuais ilícitas, mantendo se fiel quando casado.
  5. Kshama: paciência, não se sentir impelido pelo tempo, manter a atenção no momento presente.
  6. Dhriti: estabilidade, superação da falta de perseverança, superação do medo, superar a indecisão; mantendo uma tarefa até a sua conclusão.
  7. Daya: compaixão; conquistar o equilíbrio, livrando-se dos sentimentos insensíveis e cruéis com todos os seres.
  8. Arjava: honestidade, retidão, renunciando aos enganos e as injustiças.
  9. Mitahara: moderado apetite, nem comer demais, nem de menos.
  10. Shaucha: pureza, evasão de impurezas no corpo, mente e fala. (Nota: o Yoga Sutras de Patanjali lista Shaucha como o primeiro dos Niyamas).

     Niyama são também regras que orientam a prática interna, desenvolvendo qualidades espirituais



    Os dez tradicionais Niyamas são:
  11. Hri: remorso, ser modesto e mostrar vergonha por seus erros;
  12. Santosha: contentamento; estar satisfeito com os recursos ao seu dispor portanto, não desejando mais;
  13. Dana: dar, sem pensar em recompensas;
  14. Astikya: fé, acreditar firmemente em seu mestre, e os ensinamentos para atingir à iluminação;
  15. Ishvarapujana: culto ao Senhor, o cultivo da devoção através de culto e meditação diária, o regresso à fonte;
  16. Siddhanta shravana: ouvir, estudar os ensinamentos das escrituras, ouvir os sábios da sua própria linhagem;
  17. Mati: cognição, o desenvolvimento de uma vontade e um intelecto espiritual com a orientação do mestre;
  18. Vrata: votos sagrados, cumprir as promessas religiosos, regras e observá-las fielmente;
  19. Japa: recitação, mantras diários;
  20. Tapas: culto da força de vontade para resistência; a fome e sede, calor e frio, manter-se de pé e sentado, etc

Nos Yoga Sutras de Patañjali, os Niyamas são a segunda parte dos oito passos do Raja Yoga.
Eles são encontrados no Sadhana Pada verso 32:
  1. Shaucha: Na codificação tradicional, este item é listado como um Yama; essa palavra significa pureza.
  2. Santosha: contentamento.
  3. Tapas: austeridade e penitência.
  4. Svadhyaya: auto-estudo das escrituras.
  5. Ishvarapranidhana: auto-entrega.





Então o importante é pensar. E pensar é de graça, não fazê-lo custa caro :)

quinta-feira, 12 de abril de 2012

Reconhecendo nossa INTELIGÊNCIA

Continuando nosso estudo Inbound, essa semana o tema é a INTELIGÊNCIA. Lembra quando conversamos sobre a MENTE?

A inteligência é o próximo degrau, é mais refinada que a mente. A função dela é discernir através de um critério. Tomando como exemplo a apreciação de uma obra de arte, como tratamos na semana passada, a mente expressaria sua opinião através dos opostos “gosto” ou “não gosto” / “me serve” ou “não me serve”. Já a inteligência trabalha com critérios, então ela pensaria assim: “porque o pintor se expressou dessa maneira? Que experiência o inspirou? Porque? Como eu faria?” 


A inteligência em sânscrito é chamada BUDDHI. Buddha é assim chamado porque significa “o ilmunidado”. Ele era um rei que viveu com todo o conforto e opulência, não conhecia a miséria material. Um dia ele desejou visitar seu reino e o primeiro que viu ao sair do palácio foi um velho, magro e moribundo. Essa cena foi chocante e o fez perceber que somos temporários e que estamos iludidos. Apos essa reflexão ele foi para o bosque, sentou-se embaixo de uma árvore em postura de meditação e fez o voto de não se mover até alcançar a iluminação. Seu Ele queria descobrir a raiz da ilusão material, do sofrimento. Nesse processo, Maya, a própria Energia Ilusória, aproximou-se e tentou atrapalhar sua meditação. Ela era muito atraente e com muita insistência procurar interromper sua iluminação. Buddha então percebeu que a origem do sofrimento é o DESEJO.
A mente sempre buscar fomentar mais desejos materiais (buscando o conforto, se sentir querido, útil, boa casa, comida e etc) que na realidade são causa de frustração já que ela é obstinada e muito forte. Surge o desejo e no momento seguinte outro desejo e assim por diante... É impossível satisfazer a mente pois ela sempre buscará outro desejo mais intenso... Não é verdade?
Então a inteligência busca através de critérios cercear a mente descontrolada e impor alguns limites. Por exemplo, não é saudável comer muito ou doces a noite. Supondo que a mente esteja fora do controle buscando satisfazer seus sentidos. Com certeza ao ver um delicioso chocolate vai querer comê-lo. É nesse momento que surge a inteligência aconselhando a evitar porque não é saudável comer quando se vai o sol. A inteligência busca manter a harmonia do corpo, do ambiente e também nos relacionamentos. É aquela voz que as vezes escutamos e que sempre nos aconselha.
 E o que a mente e inteligência tem a ver com Yoga? Tudo!


A mente sempre busca o conforto e satisfazer os desejos e a inteligência busca manter a harmonia. Quando praticamos uma asana (postura) talvez seja um pouco difícil, exija concentração, alongamento e resistência... A mente na hora já quer desistir e ir para o relaxamento! Mas a inteligência argumenta que é necessário manter e postura e etc... Simplificando: o Yoga FORTALECE a inteligência fazendo com que ela se desenvolve e possa ser mais forte que a mente.