segunda-feira, 23 de abril de 2012

8 Passos de Astanga Yoga: praticando Yama e Niyama

Depois de estudarmos sobre a Respiração, Energia Vital, Mente e Inteligência (consulte os post anteriores) damos continuidade ao Estudo Inbound de hoje.
Começamos a estudar os OITO PASSOS de ASTANGA YOGA de Patanjali que garantem a constância na prática.


Os oito são:
Yama (códigos morais)
Niyama (purificação e estudo)
Asana (postura)
Pranayama (controle da respiração)
Pratyahara (controle dos sentidos)
Dharana (concentração)
Dhyana (meditação)
Samadhi (contemplação)


Hoje veremos os dois primeiros: Yama e Niyama

Yama significa restrição. Isso significa que algo precisa ser restringido, o que é? Há muitas respostas possíveis para essa pergunta e cada um pode pensar sobre esse ponto - como uma meditação inbound da semana. Essa restrição não significa repressão e sim compreensão. Em outras palavras, não devemos nos conter e não fazer determinada coisa e sim compreender se é necessário de fato tal ação.
Por exemplo, uma pessoa descontrolada sempre tem fome e o todo tempo busca comer coisas gostosas. Praticar Yama seria pensar se é necessário comer ou não, analisar o horário, com que consciência e etc.
  1. Ahimsa: Não violência. Abstinência a agredir outros, inocência, não causar dor a qualquer criatura por pensamento, expressão, escrita, em qualquer momento. Esta é o "principal" yama. Os outros nove permitem atingir a sua realização.
  2. Satya: veracidade, palavra e pensamento em conformidade com os fatos.
  3. Asteya: não roubar, invejar, não ter dívidas.
  4. Brahmacharya: conduta ética, continência, abstér-se de ter relações sexuais ilícitas, mantendo se fiel quando casado.
  5. Kshama: paciência, não se sentir impelido pelo tempo, manter a atenção no momento presente.
  6. Dhriti: estabilidade, superação da falta de perseverança, superação do medo, superar a indecisão; mantendo uma tarefa até a sua conclusão.
  7. Daya: compaixão; conquistar o equilíbrio, livrando-se dos sentimentos insensíveis e cruéis com todos os seres.
  8. Arjava: honestidade, retidão, renunciando aos enganos e as injustiças.
  9. Mitahara: moderado apetite, nem comer demais, nem de menos.
  10. Shaucha: pureza, evasão de impurezas no corpo, mente e fala. (Nota: o Yoga Sutras de Patanjali lista Shaucha como o primeiro dos Niyamas).

     Niyama são também regras que orientam a prática interna, desenvolvendo qualidades espirituais



    Os dez tradicionais Niyamas são:
  11. Hri: remorso, ser modesto e mostrar vergonha por seus erros;
  12. Santosha: contentamento; estar satisfeito com os recursos ao seu dispor portanto, não desejando mais;
  13. Dana: dar, sem pensar em recompensas;
  14. Astikya: fé, acreditar firmemente em seu mestre, e os ensinamentos para atingir à iluminação;
  15. Ishvarapujana: culto ao Senhor, o cultivo da devoção através de culto e meditação diária, o regresso à fonte;
  16. Siddhanta shravana: ouvir, estudar os ensinamentos das escrituras, ouvir os sábios da sua própria linhagem;
  17. Mati: cognição, o desenvolvimento de uma vontade e um intelecto espiritual com a orientação do mestre;
  18. Vrata: votos sagrados, cumprir as promessas religiosos, regras e observá-las fielmente;
  19. Japa: recitação, mantras diários;
  20. Tapas: culto da força de vontade para resistência; a fome e sede, calor e frio, manter-se de pé e sentado, etc

Nos Yoga Sutras de Patañjali, os Niyamas são a segunda parte dos oito passos do Raja Yoga.
Eles são encontrados no Sadhana Pada verso 32:
  1. Shaucha: Na codificação tradicional, este item é listado como um Yama; essa palavra significa pureza.
  2. Santosha: contentamento.
  3. Tapas: austeridade e penitência.
  4. Svadhyaya: auto-estudo das escrituras.
  5. Ishvarapranidhana: auto-entrega.





Então o importante é pensar. E pensar é de graça, não fazê-lo custa caro :)

Nenhum comentário:

Postar um comentário